CONTOS E FADAS

Festa, Brincadeira, Estória e Muita Diversão

HORA DO ALMOÇO NA FLORESTA

  

DUDU O CAÇADOR DE DRAGÃO: TEXTO FINALISTA NO CONCURSO ANA MARIA MACHADO DO CEPETIM 2007/2008

 

 

 

DUDU 

CAÇADOR DE DRAGÃO

 

 

 

PERSONAGENS:

DUDU;

 

(Menino muito entusiasmado, que ouviu falar de um dragão grande, feio muito, muito mal e se põe a caçá-lo.)

 

SIRENA;

(Parece uma menina, apesar de muito mal humorada e mandona, às vezes transparece uma fragilidade, capaz de comover o menino, mas ela guarda um grande segredo.)

 

CRIATURA, HOMEM DAS NEVES E DRAGÃO:

(Trata-se do mesmo personagem, o “Dragão”, tentando se esconder. É a principal peça do mistério e, para manter seu disfarce, é sempre inseguro e amedrontado.)

 

PRINCESA MARYNE;

(Este personagem, só aparece no final, pois é a chave do grande mistério. Uma menina meiga e doce, mas nem sempre ela foi boazinha, viu!)

 

VELHO ANCIÃO, ESQUIMÓ:

(Como o “Dragão”, estes também são disfarces de um mesmo personagem. Sempre velhos e com o mesmo jeito de falar, dão uma mostra de seu verdadeiro “eu”... Será que você é capaz de adivinhar qual é a verdadeira identidade deste personagem??)

 

 CENÁRIOS:

( OS ELEMENTOS DOS QUADROS PODEM SER TROCADOSPELOS ATORES COM A LUZ APAGADA, SEM O FECHAMENTO DAS CORTINAS)

10 QUADRO: (Reino da Terra) Pode ser usado um painel de floresta no fundo, algumas “pedras”, uma caverna, que pode ser uma barraca estilizada ;

 

2oQUADRO: (Reino do gelo) Muito parecido com o reino da terra, porém seus componentes devem ser brancos. Pode ser usados painel de montanhas cobertas de neve, pedras brancas, tapetes brancos (incluindo o manto usado pelo “Homem das Neves”) e uma “caverna” também branca.

 

30QUADRO: (Reino das Águas) Um trono, sobre um pedestal no centro, algumas algas cenográficas, pedras e peixes, estilizando um fundo do mar.

 

Obs.:Os quadros podem ser dispostos em três diferentes espaços, no mesmo palco, evitando as trocas de cenários, sendo iluminado apenas o espaço usado na presente cena.

 

SUGESTÕES DE FIGURINO:

 

DUDU: Casaco e calças largas e camufladas, capacete (ambos no estilo militar), cinto e uma espada de madeira;

SIRENA: Vestido rodado e longo (tipo princesa), arranjo no cabelo e cetro (base de madeira ou metal, com uma “pedra” em cima. A pedra deve ser formada por peças que se encaixem e que desmonte, quando lançada ao chão);

VELHO ANCIÃO: Túnica branca envelhecida, amarrada por uma corda barba e cabeleira branca;

ESQUIMÓ: Casaco com capuz (o capuz deve ter imitação de pelo em suas bordas);

DRAGÕES: Roupa base de cor verde limo, máscara, luva, escamas dorsais e rabo podem ser feitos de material como EVA.

Obs.: Não esquecer dos mantos de tecido cru e de pelo branco para a Criatura da floresta e o Homem das Neves, respectivamente;

PRINCESA MARYNE: Vestido (tipo princesa) e tiara;

BRUXA (SIRENA): Cabeleira branca, nariz grande e verruguento, roupas longas e pretas.   

 

 

 

                                                                                                    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                       - 1o Quadro -

 

      Ouve-se o rufar dos tambores. Logo em seguida, surge um menino, vestindo roupas camufladas, bem largas e um capacete. Já, subindo ao palco, meio atrapalhado, o menino, todo atrapalhado, tropeça em uma pedra e quase bate com a cabeça nas rochas da caverna.

 

      Levanta-se, sacode a poeira e, olhando para a plateia, faz um “sshhhh”, pedindo silêncio:

 

      DUDU (falando mais baixo, querendo se manter segredo de sua localização, é claro)

      – Sabem, estou procurando um Dragão. Vocês viram ele por aí?

 

      Depois de ouvir a resposta do público, ele olha para um lado, olha para o outro e continua:

 

      DUDU

      – Me disseram que, aqui por perto, se esconde o Dragão. Um grandão assim. É! Ele é grandão assim, mesmo! E sabem do que mais? Ele é feio, muito feio e também é mal, muito mal mesmo... Tem certeza que não viram nenhum Dragão por aqui?

 

      RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF... RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF!!!

 

      DUDU (se entusiasma)

      – É ele, tenho certeza que é! Este ronco só pode ser ronco do Dragão.

 

      O menino caminha sorrateiramente pelo palco...

 

      RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF... RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF!!!

 

      Ele chega a conclusão de que o ronco está vindo da caverna e então ele se aproxima, pegando uma espada de madeira, presa ao seu cinto e desafia:

 

      DUDU (em tom desafiador)

      – Dragããão, Dragããão...

       

      Ele espera por uma resposta, mas nem sinal do Dragão, e o menino insiste:

 

      DUDU (quase invadindo a caverna)

      – Dragão, saia e venha encontrar seu destino – Ele se vira para a plateia e murmura – Ele vai ver só. Vou derrota-lo com um só golpe...

 

      Alguém se mexe e, vendo que esse “alguém” está saindo da caverna, Dudu dá um salto para trás, quase deixando seu capacete voar.

 

      Infelizmente (ou felizmente), o que saiu da caverna não foi um Dragão e sim um senhor, bem velhinho, vestindo uma túnica encardida, amarrada por uma corda:

 

      VELHO ANCIÃO (com voz, que embora expressasse sua idade, mostrava segurança e força ao falar)

      – Ora, ora, ora, mas por que tanto berreiro, tanta gritaria. Não se pode mais ter sossego nem dentro de uma caverna?

 

      O menino, todo sem graça e desajeitado, tropeçando nos próprios pés, tenta se explicar:

 

      DUDU (envergonhado)

      – Perdão, perdão, mil perdões senhor! Acontece que sou um caçador.

 

      VELHO ANCIÃO

      – Mas era só o que me faltava... Nesse caso a situação é ainda pior. Imagine, um caçador na minha floresta. Pobres dos animais!

 

       DUDU (tentando se explicar)

      – Não, o senhor não entendeu. Não estou caçando animais, estou caçando um Dragão.

 

      VELHO ANCIÃO

      – Ora essa! Menino tonto! Não sabe que dragões não existem?

 

      DUDU (com muita convicção)

      – Mas é claro que existem, existem sim. Sei que tem um Dragão por aqui e é melhor o senhor se esconder, pois, malvados como os dragões são, esse, engoliria o senhor em um só segundo e com uma só abocanhada e...

 

      RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF... RRRRRRUUUUUUUUFFFFFFF!!!

 

      DUDU

      – Mas e agora, de onde veio este ronco?

 

      VELHO ANCIÃO

      – Ora essa... Rrrrruuufff... Essa conversa está tão cansativa que estou dormindo em pé...Rrrrruuufff... Você não tinha percebido?

 

       DUDU

       – De jeito nenhum, este ronco não veio do senhor não, tenho certeza que veio da caverna...

 

      O menino percebe que mais alguém está saindo e logo aparece uma criatura usando um manto velho, que lhe cobre quase todo o corpo, deixando de fora uma grande cauda e um nariz verde e comprido.

      Dudu fica paralisado por alguns instantes, enquanto a criatura boceja e esfrega os olhos, esfrega os olhos e boceja:

 

      CRIATURA (sonolenta, sonolenta, que nem percebe a presença do menino)

      – Mas, já é hora de acordar???

 

      O menino, sempre desafiador, salta na frente da criatura, de espada em punho:

 

      DUDU

      – Agora sim, seu grande Dragão. Você nunca mais vai fazer maldade nenhuma, contra ninguém...

 

      E o Velho Ancião pula na frente do menino:

 

      VELHO ANCIÃO

      – Não, não. Você está enganado. Isto não é um Dragão, não.

 

      DUDU

–        O que é então?

 

      O Velho Ancião tenta pensar rápido:

 

      VELHO ANCIÃO

      – Ora essa, não está vendo? Ele é... É... Ele é um Ogro da floresta.

 

       CRIATURA (ainda, meio... Aliás, meio é pouco, totalmente confusa)

      – Ogro da floresta! Onde, onde? Ah é! Sou eu. Sou o Ogro da floresta.

 

       DUDU (pensativo)

       - Mas Ogro também come gente, não é?

      

      CRIATURA (se “sintonizando” com a situação)

      - Pois eu não. Sou um Ogro muito do bonzinho.

 

      DUDU (quase convencido)

      - Não sei não, mas tudo bem, afinal, o que quero é combater um Dragão. Um Dragão grande, feio e muito, muito malvado.

 

      VELHO ANCIÃO (tenta usar de sua sapiência)

      – Ora essa! Pense um pouco. Por que você quer tanto capturar um Dragão? O que ele fez, para ser tão malvado?

 

       DUDU

      – Porque me disseram que o Dragão, fugiu para esta floresta, depois de destruir um reino inteiro, depois de comer um montão assim de criancinhas, ó...

 

       VELHO ANCIÃO

        - Ora, ora! E você acredita em tudo o que dizem?!... Acha mesmo que uma criatura tão má poderia estar em uma caverna, cuidando de um velho como eu?

 

      DUDU (agora, convencido)

      - Bom... Acho que o senhor tem razão. Então, é melhor que eu parta. Preciso encontrar logo esse Dragão.

 

      O menino se despede e vai, deixando o Velho Ancião e a Criatura se entreolhando, com caras de quem guarda algum segredo.

      Ouve-se uma “flauta” bem triste, em tom de despedida e depois predomina o silêncio entre os dois, até que a Criatura exclame desanimada:

 

      CRIATURA

-          É, acho que vamos ter de ir embora outra vez!

 

      VELHO ANCIÃO (concordando)

-          Ora, ora! Acho que fomos descobertos. Se ficarmos, correremos um grande risco...

 

      CRIATURA (espantada)

-          Mas para onde vamos?

 

      VELHO ANCIÃO (se reanimando)

-          Ora, sabe que eu não tenho ideia... Espere...Tenho sim! Eu tenho uma ideia!

 

      CRIATURA

-          Então diga logo, que ideia é essa?

 

      VELHO ANCIÃO

-          Já que nos encontraram no Reino da Terra, então agora iremos para o Reino do Gelo. Lá, as criaturas do Reino do Mar e do Reino da Terra, certamente não nos seguiram.

 

      CRIATURA (contagiada pelos ânimos do velho amigo)

-          Então vamos logo... Antes que nos descubram de vez!

 

      O Velho Ancião olha na direção para onde foi o menino, demonstrando grande tristeza e a criatura deixa o manto cair, mostrando que é mesmo um Dragão. Os dois deixam o palco.

      Em seguida, uma menina muito bonita chega, com um vestido comprido e tendo na mão, um cetro com uma pedra na ponta:

 

 

 

      SIRENA (muito irritada)

      - Ah, mas como é tonto esse menino! Tenho certeza que o Dragão está nesta floresta, no Reino da Terra, mas ele consegue encontra-lo? Não, não consegue, agora eu tenho de sair lá do Reino das Águas, para tentar consertar suas trapalhadas...

 

      Dudu chega, todo atrapalhado, tropeça e quase derruba a menina:

 

      DUDU

-          Sirena, Sirena... Oop’s... Desculpe!

 

      SIRENA

      - Seu tonto, preste mais atenção por onde anda.

 

      DUDU (se recupera do susta e fala todo entusiamado)

      - Desculpe Sirena, mas eu não disse, não disse?

 

      SIRENA

      - Não disse o que?

       

      DUDU

      - Não disse que não havia Dragão nenhum nesta floresta, não disse?!

 

      Sirena pega o manto, que está caído no chão:

 

      SIRENA

      - Tonto, tonto, tonto! Olhe para isto.

 

      DUDU

      - Mas eu já vi, é o manto da criatura!

 

      SIRENA

      - Ai, mas nunca vi mais tonto! Olha, tem uma escama presa no manto.

 

      DUDU (olhando atenciosamente e perdendo o enstusiasmo)

      - Isto é uma... Uma escama de Dragão?

 

      SIRENA

      - Mas é claro que é uma escama de Dragão! Eles enganaram você.

 

      Dudu fica muito decepcionado e o fundo musical, bem melancólico, piora o clima:

 

      DUDU

      - Me desculpe! Puxa vida, sou mesmo um tonto!

 

      Ela perde a aparência forte e mal humorada de antes e agora se torna uma menininha tão desconsolada, tão “coitadinha”:

 

      SIRENA

      - É, não tem problema! Certamente você agora voltará para sua casa quentinha, enquanto um Dragão grande, feio e muito, muito malvado, destrói meu reino...   

 

 

    

       DUDU (em tom heroico e decidido)

      - Não Sirena, não. Eu não vou deixar que isso aconteça. Vou encontrar o Dragão novamente e dessa vez, ele não me escapa!

 

      SIRENA (fingindo alegria com a decisão do menino)

      - Promete, promete?

 

      DUDU

      - Mas claro que prometo! Afinal, eu sou ou não sou um herói?

 

      SIRENA (retomando sua personalidade mandona e arrogante)

      - Sei, sei, sei. Agora vamos logo! Comece a pensar. Para onde o Dragão pode ter ido, hein?

 

      DUDU

      - Mas é muito fácil responder a essa pergunta...

 

      SIRENA (muito interessada)

      - Verdade? Então responda logo.

 

      DUDU

      - Ele deve ter ido fazer, o que ele quer tanto fazer...

 

      SIRENA

      - E o que é? Fala, fala logo.

 

      DUDU (se achando muito esperto)

      - Ele deve ter ido para o Reino das Águas destruir tudo, é claro!

 

      SIRENA (decepcionada)

      - Não, não, não, seu tonto! Deixe-me pensar, deixe-me pensar... Já sei! Ele deve ter se escondido no Reino do Gelo, é claro! É o melhor lugar para se esconder dos povos da terra e da água.

 

      DUDU (desconfiado)

      - Mas Sirena, por que um Dragão grande, feio e muito, muito mal ia querer se esconder…

 

      SIRENA (se esforçando para convencer o menino)

      - Para preparar melhor o plano de ataque, é claro!

 

      DUDU (não muito esperto, se convence fácil)

-          Ah, claro! Então não se preocupe. Vou encontrar e derrotar esse Dragão.

 

      Os dois deixam o palco, confiantes da vitória.

     

                                                  - 2o Quadro -

 

 

      Tudo parece muito frio, em um cenário completamente branco.

      Com uma “introdução musical oriental”, Dudu volta a aparecer, “tropeçante” como sempre e quase bate com a cabeça na caverna, branca de tanta “neve”, que está do lado de um monte de “pelos” brancos:

               

      DUDU

      - Encontrei, encontrei! Finalmente encontrei o Dragão e vou impedi-lo de destruir o Reino das Águas. Ele vai se ver comigo, vai sim!

     

 

      Ouvindo apenas o “barulho do vento”, ele começa a procurar, vasculhar, investigar tudo. Cada cantinho do lugar e até dentro da caverna, mas não encontra nada, nem ninguém:

 

      DUDU (decepcionado)

      - Mas o que é isso? Não tem ninguém aqui. Será que peguei o caminho errado?

 

 

      Ele pega um mapa, amarrado junto com a espada. Vira de um lado vira do outro. Olha em baixo, olha em cima, olha para o céu, torna a olhar para o mapa e balança a cabeça em um sinal negativo:

 

         

      DUDU

      - Não, não, não. O caminho está certo. Estou mesmo no Reino do Gelo... Bem, talvez quem tenha se enganado, seja a Sirena. É isso! Enquanto estou aqui, o Dragão grande, feio e muito, muito mal está atacando o Reino das Águas... Essa não! Tenho que voltar para lá e rápido!...

 

   

     Bem que o menino tentou sair bem rápido daquele lugar, mas acabou trombando em alguém:

 

 

      DUDU

      - Me desculpe... Me desculpe, mesmo...

 

 

      ESQUIMÓ (que na verdade é o Velho Ancião disfarçado)

      - Tudo bem, tudo bem. Estou bem, não se preocupe.

 

      DUDU (desconfiado)

      - Espere um pouco, eu não te conheço de algum lugar.   

 

 

      ESQUIMÓ (que nem disfarça a voz, a mesma do Velho Ancião)

      - Hummm! Pode ser. O senhor mora aqui por perto?

     

      DUDU

      - Não senhor. Não moro não. Na verdade, é a primeira vez que venho por estes lados, sabe? Eu sou é do Reino da Terra, lá perto de uma floresta muito linda...

 

      ESQUIMÓ

      - Ora, ora, é mesmo! Então não. É impossível que o senhor me conheça. Na verdade, desde que nasci, me mudei para cá e nunca mais saí. 

     

      O menino dá a mão em cumprimento, se despedindo:

 

      DUDU

      - Bem, sendo assim, realmente é impossível que nos conheçamos. Bom, então adeus. Tenho que ir, pois preciso derrotar um Dragão grande, feio e muito, muito mal que quer destruir um certo reino... - tentando sair, ele acaba tropeçando no tal monte de pelos brancos, perto da caverna branca -... Ooop’s...    

 

      Ele cai, lançando a espada para fora do palco e fica gemendo de dor.

      O Esquimó se aproxima, olha a perna dele e dá o diagnóstico:

 

 

      ESQUIMÓ (com cara de quem sabe o que diz)

      - É, você torceu o tornozelo, pelo jeito, não vai poder ir fazer, o que queria fazer...  

 

      VOZ DEBAIXO DO MONTE DE Pelos BRANCOS - A CRIATURA, DISFARÇADA DE HOMEM DAS NEVES -

      - Oh, não! Essa não! Quer dizer que vamos ter um hóspede?

       

      Um bicho grande se levanta, sob o manto de pelos brancos:

      

       DUDU (se assusta)

       - Mas o que é isso? Um Dragão branco?

 

      ESQUIMÓ (meio sem jeito, tenta convencer)

      - Dragão, Dragão? É claro que não é um Dragão!

 

      HOMEM DAS NEVES (tão sem jeito, como a criatura)

      - É! É claro que eu não sou um Dragão... Não é? 

 

      ESQUIMÓ (bem certo de si)

      - Mas é claro que não! O meu amigo é o Homem das Neves.

 

      DUDU (se assusta mais uma vez)

      - Mas é o Abominável Homem das Neves?

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Isso mesmo! Eu sou o abominável... Abominável???

 

      ESQUIMÓ

      - Isso mesmo! O abominável Homem da Neves.

 

      DUDU

      - Mas o abominável Homem das Neves não é um devorador de esquimós?

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Se é ou não é, eu não sei. O que sei, é que eu sou vegetariano, viu?

 

      DUDU (estranhando)

.     – Mas vegetariano em um lugar gelado como este?

 

      HOMEM DAS NEVES (tenta se explicar, timidamente)

-          É que só como algas marinhas, é claro!

 

      DUDU (confuso)

      - Mas algas de onde?

 

      ESQUIMÓ (se irritando)

      - Ora, ora, mas querem parar de baboseiras! Você não estava ferido?

 

      DUDU (se lembrando da dor que sente)

      - Ih, é mesmo! Aaaaiiii, uuuuiiii, como isso dói!

 

      HOMEM DAS NEVES (se aproxima, ainda tímida)

      - Eh, sabe... Acho que posso te ajudar... Acho que posso resolver este probleminha.  

 

      DUDU (indignado, com a falta de importância atribuída a tão grave ferimento de batalha)

      - Probleminha, chama isso de probleminha? Além do que, era só o que me faltava, ser ajudado por um monstro comedor de gente!

 

       O Homem das Neves, balança a cabeça e depois chega bem perto do menino, pega seu pé, aperta um pouquinho o tornozelo, e o menino faz careta de dor, depois dá um assopro, fazendo voar um brilho “purpurinado” de sua mão e pronto. O pé do menino já estava curado, sem nenhum sinal de dor. 

 

 

      O menino para de gemer, olha seu pé, olha para o Esquimó, como se perguntasse “como ele fez isso” e depois olha para o Homem das neves, com um belo sorriso:

 

      DUDU

      - Uau! Tem razão. Você não pode mesmo ser um Dragão e nem um abominável devorador de esquimós!    

 

      HOMEM DAS NEVES

      - É mesmo? – pergunta ele com um sorriso no rosto e depois, com uma expressão interrogativa – Mas porque você acha que não?

 

      DUDU

      - Mas é claro que não! Onde já se viu criaturas tão feias e malvadas, poder fazer uma coisa boa como essa?  

 

      Percebendo a decepção do amigo, o Esquimó toma a palavra:

 

      ESQUIMÓ

      - Ora, ora! Agora me diz, por que é mesmo que você quer tanto encontrar o Dragão? 

 

      O menino procura um lugarzinho para se sentar, olha para os seus novos amigos e começa:

 

      DUDU

      - Está bem. Vou contar tudo o que aconteceu...

 

      HOMEM DAS NEVES (batendo palmas e saltitando feliz)

      - Que bom, que bom, história! Eu adoro história.

 

      ESQUIMÓ

      - Ora, ora! Então fique quieto para podermos ouvir.   

 

      O menino olha tudo a sua volta novamente, bem pensativo, como se quisesse lembrar de tudo, não se esquecendo de nenhum detalhe, enquanto os outros dois se sentam no chão:

 

      DUDU

      - Bom, acontece que eu nasci em uma vila muito bonita, lá no reino da terra e aí...       

 

      HOMEM DAS NEVES (sem paciência para esses “pequenos detalhes”)

      - Ai, certo, certo! A história não precisa ter tantos detalhes assim, não é mesmo?

 

     ESQUIMÓ

     - Ele tem razão, só queremos saber o por quê de tanta raiva de Dragão, ora essa!

 

 

 

      DUDU (não muito contente)

      - Está bem, está bem. Acontece que, certo dia, lá na minha linda vila, quando estávamos todos cuidando de nossas vidinhas...

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Por favor, quer se “manter” aos fatos?

 

      ESQUIMÓ

      - Ora, ora, Homem das neves! Não é se “manter” aos fatos, queremos é que ele se atenha aos fatos.

 

      O menino se levanta e, tentando andar pelo palco, tropeça e cai de cara no chão. Levanta-se, “sacode a poeira” e continua:

 

      DUDU

      - Está bem, está bem! Tudo começou de verdade, quando uma onda gigante, enorme mesmo, veio e destruiu toda a minha vila...

 

      EQUIMÓ E HOMEM DAS NEVES

      - Ooohhhhh!!!

 

      DUDU (confirmando)

      - É verdade sim! 

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Mas ainda não sei o que eu... Quer dizer... O que o Dragão tem a ver com isso!

 

      Ele chega perto do Homem das neves e tom de suspense:

 

      DUDU

      - Acontece, que logo depois da grande onda, encontramos uma menina na praia. Estava toda suja e com as roupas rasgadas, mas era muito, muito bonita!

     

      HOMEM DAS NEVES (“torcendo o nariz” para a história)

      - Ta, ta, ta, ta! Continuo não vendo Dragão nenhum na história...

 

      ESQUIMÓ (muito interessado)

      - Fique quieto, Homem das neves, que estou começando a entender. Então, quem era mesmo essa menina?

     

      DUDU

      - Você não deve conhecê-la. Acontece que ela veio do Reino das Águas, lá do fundo do mar. Ela era a princesa de lá...

 

      HOMEM DAS NEVES (indignado)

      - Princesa do Reino da Águas?! Mas eu é que...

 

 

      ESQUIMÓ (impaciente)

      - Fique quieto Homem das Neves, que já vamos entender a história...

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Aaaahhh! Está bem. Pode continuar, menino.

 

      DUDU

      - Espero não ser mais interrompido, viu! Bem, continuando, a princesa se chamava Sirena... - o Homem das Neves quase falou alguma outra coisa, mas o Esquimó tapou-lhe a boca -...Ela estava muito triste, pois seu reino havia sido destruído por um Dragão grande, feio e muito, muito mal. Ela ficou mais triste ainda, quando viu que a minha vila também havia sido devastada pela onda. Então ela disse que tudo era culpa do Dragão e que só um soldado forte como eu, poderia derrotar o Dragão e salvar o Reino das Águas e a minha vila. Ela disse também, que se eu falhasse, o Dragão iria fazer uma onda maior ainda e aí sim, não sobraria nada da minha vila...

 

    O menino fica muito triste depois de contar a história, então, o Homem das Neves se aproxima e aconchega a cabeça de Dudu em seu ombro:

 

      HOMEM DAS NEVES (compadecido)

      - Pobrezinho! Nós temos que ajudá-lo.

 

      ESQUIMÓ (ignorando a piedade do amigo)

      - Temos nada! Quem manda ser bobo? Ninguém nunca disse a ele, que não se deve acreditar em tudo o que dizem? Ora, ora! Não podemos nos sacrificar por burrice alheia...

 

      DUDU (não entendendo nada)

      - Hei! Posso saber do que é que estão falando.

 

      Ignorando o menino, eles continuam a discussão:

 

      HOMEM DAS NEVES

      - O que está acontecendo a ele, também é nossa culpa. Precisamos ajudá-lo!

 

       O menino ouve tudo, muito impaciente. Emburrado, de braços cruzados e batendo a ponta do pé no chão, sem parar:

 

      ESQUIMÓ

      - Não sei, não sei...

 

      HOMEM DAS NEVES

-          Por favor, eu preciso fazer isso. Não posso fugir pelo resto da minha vida.

 

 

 

 

      ESQUIMÓ

      - Está bem, se te fará sentir-se melhor...

 

      DUDU

      - O que está acontecendo? Do que estão falando?... Por favor, alguém fala comigo. 

 

      HOMEM DAS NEVES

      - Está bem, está bem, mas pare de choramingar.

 

      O Homem das Neves deixa o manto de pelos brancos cair:

 

      HOMEM DAS NEVES (cabisbaixo)

      - Não precisa mais procurar... Eu sou o Dragão do Reino das Águas.

    

      DUDU (espantado e sem saber o que fazer)

      - Não, não pode ser! Você foi tão bom comigo... Como vou poder ferir você?   

 

      ESQUIMÓ

      - Uma coisa está certa na sua história, se você não capturar o Dragão, sua aldeia será destruída pela bruxa...

 

      DUDU (confuso como nunca)

      - Bruxa, que bruxa? Não conheço bruxa nenhuma!

 

      ESQUIMÓ

      - Mas você não entendeu nada mesmo, não é? Sirena é uma bruxa.

 

      DUDU (não admitindo falar mal de Sirena)

      - Mas é só o que me faltava! Agora, vão querer pôr a culpa na coitada da princesa Sirena...

 

      HOMEM DAS NEVES (desistindo de tentar se explicar)

      - Não tem jeito mesmo, você é um “cabeça dura”!

 

      DUDU

      - Tudo bem, tudo bem! Está certo que vocês foram até legais comigo, mas agora eu vou levar os dois como prisioneiros e é melhor não resistirem, se não...

 

      HOMEM DAS NEVES (novamente cabisbaixo)

      - Não se preocupe! Vamos com você.

 

     Os três deixam o palco. O Esquimó e o Dragão vão na frente e Dudu os segue, feito um soldado e seus prisioneiros.

     

 

 

                                                         - 3o Quadro -

 

 

       O cenário agora é o Reino das águas. Com um trono, sob um pedestal, no centro.

      Algumas algas ( feitas de espuma), pedras e peixes, dão a sensação de fundo do mar.

      Sirena está sentada no trono, com seu cetro na mão direita. Ela olha para um lado, olha para o outro e depois, com uma extrema altivez, se levanta e caminha lentamente à frente do palco:

  

       SIRENA (irritada, como sempre)

      - Tolo, tolo, tolo! Mas como aquele menino é tolo! Nem lhe passa pela cabeça que só estou me aproveitando da inocência dele. É isso mesmo. E sabem por que? Por que a “Princesa Dragão” não pode ser ferida por mim... Somente um ser inocente do Reino da Terra poderá lhe fazer mal e no momento em que isso acontecer, o encanto será permanente e ela será um Dragão para sempre. Hahahahahahahaaaa! 

     

      Ela mal termina de falar e Dudu entra agitando sua espada, todo esbaforido e tropeçando nos próprios pés:

 

      DUDU

      - Princesa, princesa... Eu consegui, eu consegui...

 

      SERENA (toda animada)

      - Conseguiu? Conseguiu matar o Dragão?

 

       DUDU (mais contido)

       - Matar, matar não, mas consegui algo muito melhor.

 

       SIRENA (franzindo a testa)

      - Melhor, melhor, como assim melhor?

 

      DUDU

      - Muito, muito melhor. Acontece que eu o capturei vivo!

 

      Ela faz uma feição, de decepção sem tamanho:

 

      SIRENA

      - Quer dizer que você “a” trouxe... Digo, você “o” trouxe para o Reino das Águas?   

 

      DUDU

      - Isso mesmo! Eu, sozinho, capturei o Dragão... Ah! E capturei o amigo dele também...

 

      SIRENA (se desesperando)

      - O amigo também? E onde eles estão?

 

      Agora a expressão de Sirena é de um enorme e indisfarçável medo:

 

      DUDU

      - Estão no calabouço, é claro. Quer que eu os traga aqui?  

 

      SIRENA (se precipita, mas tenta disfarçar)

      - Não, não quero... Digo, é melhor não trazê-los aqui. Na verdade, eu quero que você vá lá agora e mate o Dragão.

 

      DUDU (cessa a animação e ele recua e olha para a plateia)

       - Matar o Dragão? Eu... Agora?

 

      SIRENA (decidida)

      - Isso mesmo. Quero que vá e mate o Dragão agora.

 

      DUDU (baixando a cabeça, segurando as mãos nas costas e se balançando de um lado para o outro, muito desconfortável)

      - É que... Bem... Sinto muito, mas não posso.

 

     SIRENA (ficando indignada)

     - Como não pode? Quer que ele destrua sua aldeia?

 

      DUDU

      - Não, não quero... Mas também não posso matar o Dragão.

 

      SIRENA

      - Como não pode matar o Dragão, você precisa matá-lo para nos salvar... Para salvar todos nós.

 

      DUDU (chega perto dela, com uma mão próxima a boca, e fala em tom de fofoca)

      - Olha, não sei não, mas acho que ele não é tão mal assim!

 

      SIRENA (sarcástica)

      - Você acha que ele não é tão mal? Ficou louco, é?

 

      Depois, ela se mostra espantada e muito, muito amedrontada, enquanto Dudu continua:

 

      DUDU     

      - Ele não é tão mal, sabe? Até me ajudou quando torci meu pé... Puxa! Ele tem um toque mágico sabia? Já sei! Vou trazê-los aqui e você vai ver como eles são legais...

 

      O menino sai, tão esbaforido quanto chegou e Sirena ainda tenta suplicar:

 

      SIRENA

      - Não, não os traga... aqui!

 

      Já é tarde, o menino foi buscar o Dragão e o amigo dele, deixando Sirena desconsolada:

 

      SIRENA

      - E agora? Como é que eu saio dessa? 

                                                                                    

      Ela se senta no chão e se lamenta, quase chorando:

 

      SIRENA

      - E agora, e agora? O Dragão não podia voltar ao Reino das águas, sem ser ferido pelo habitante da terra... Será que descobriram como quebrar o feitiço?

 

      Ela abaixa a cabeça, já se sentindo derrotada, mas depois se levanta, ajeita a roupa e se anima:

 

      SIRENA

      - Imagina! É claro que não descobriram nada, claro que não! O que tenho a fazer é convencer aquele tonto de que ele tem que ferir o Dragão. É! É só isso o que tenho que fazer.

 

      O menino volta, acompanhado pelo Dragão e o Esquimó:

 

      DUDU

      - Está vendo... Olhe só... Não disse que não eram tão maus. Com certeza foi outra criatura que atacou seu reino e minha aldeia, com certeza foi...

 

      SIRENA (sem nenhuma paciência)

      - Pare, pare de tagarelar, seu tonto. Não vê que estão tentando te enganar...Não se lembra de tudo o que eu disse a você?

 

      ESQUIMÓ (alfinetando)

      - Ora, ora! Talvez o menino esteja aprendendo que não se deve acreditar em tudo o que dizem, não é?

 

      SIRENA

      - Cale-se, cale-se. Não escute o que ele diz... Precisa nos salvar, vamos!...

 

      O menino não se move, o Dragão cabisbaixo, também não diz uma palavra e o Esquimó, mantém uma postura de provocação contra Sirena.

       Vendo que Dudu não se levantaria contra o monstro, ela resolve tomar uma atitude drástica. Aos berros, segura o braço de Dudu onde está a espada e o puxa contra o Dragão:

 

      SIRENA

      - Querendo ou não, serão suas mãos que vão ferir o Dragão, para não deixar que o encanto se quebre...  

 

      Percebendo as intenções de Sirena, o Dragão levanta a cabeça e resolve agir. Dá uma “rabada” na bruxa, e no menino, por tabela, fazendo o cetro cair no chão e a pedra que está presa em cima dele se partir:

 

      SIRENA

      - A pedra se partiu, o encanto se quebrou!!!

     

      Sirena, desesperada, foge para fora do palco. O Dragão e o Esquimó vão atrás.

 

      O menino, que havia sido derrubado pela rabada do Dragão, se levanta, ajeita as roupas. Olha para um lado, olha para o outro, não vê ninguém e pergunta para a plateia:

 

      DUDU

      - Alguém pode me explicar o que aconteceu aqui? Afinal, quem foi que eu salvei, a princesa ou o Dragão? 

 

     Uma voz, parecida com a voz do Dragão, mas muito mais suave e delicada, responde a pergunta do menino:

 

      PRINCESA MARYNE

      - Na verdade você salvou o Dragão e a princesa, pois o Dragão é a princesa e a princesa é o Dragão...

 

      DUDU (sem entender nada)

      - O quê?? Como assim?

 

      Entra no palco uma linda menina, vestida como princesa. Aproxima-se de Dudu, segura suas mãos e se apresenta:

 

       PRINCESA MARYNE

       - Olá! Eu sou Maryne, a verdadeira princesa do Reino das Águas.

 

      O menino, boquiaberto, nem consegue falar “oi” e só fica olhando, com cara de bobo.

      Dois “novos” personagens sobem ao palco e Dudu, assustado com as figuras, pega sua espada no chão e se põe pronto a defender a princesa, que segura novamente as mãos do menino.

      Um Dragão e uma mulher, que mais se parecia com uma bruxa, se aproximam dos dois:

 

       PRINCESA MARYNE (muito delicadamente)

       - Olá Sirena...

 

       DUDU (mais espantado ainda)

       - Ela é a Sirena?!

 

      PRINCESA MARYNE

      -...Eu preciso tanto te pedir perdão.

 

      DUDU (se deixando levar pelas aparências)

      - Pedir perdão para uma bruxa? 

 

      PRINCESA MARYNE (demonstrando grande compreensão e compaixão)

      - Mas ela não é uma bruxa, na verdade, ela cuidava de mim, pois meus pais estão sempre viajando, mas eu sempre ria de sua aparência, só por ela ser velha. Eu dizia que, feia como ela era, só poderia se tornar uma bruxa. Tanto falei, tanto provoquei, que ela não agüentou...     

 

       SIRENA (cabisbaixa e muito, muito triste)

       - Você é quem tem de me perdoar. Eu fui tão boba, tão má... Nunca quis ser assim... Eu só queria te fazer sentir que não importa a aparência, mas... Quando me transformei... Acho que fiquei louca...

 

      PRINCESA MARYNE

      -... Não importa mais. Agora, tudo está em seu devido lugar. – ela olha para o Dragão, que só observa - E você Velho Ancião, Esquimó, ou apenas meu grande amigo Dragão! –ela o abraça - Mesmo tendo sido preso por meus caçadores,  por causa de um medo bobo do que eu não conhecia, você não guardou mágoas de mim e depois que Sirena trocou nossas aparências, você sempre me protegeu. Mesmo como um ser frágil e velho, mostrou ser muito mais forte que eu... Muito, muito obrigada!

 

      Finalmente, olha para o menino:

  

      PRINCESA MARYNE (diz sorrindo)

      - Quanto a você, soube que se tornou um grande herói!   

     

      O menino responde com ironia:

 

      DUDU

      - Não sei não, viu! Acho melhor você não acreditar em tudo o que dizem...

 

      Aos risos, eles se abraçam em fila, saudando a plateia e as cortinas se fecham.

 

 

 

 

 

                                                                         FIM